segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Picada de Cobra

Picada de cobra. E agora, o que fazer?

                          

 

O que fazer em caso de picada de cobra?


A primeira coisa a fazer em caso de uma picada de cobra é identificar a serpente. Embora a picada de cobra possa ser fatal, existem soros muito eficientes que podem evitar esse desfecho, sobretudo se a cobra puder ser identificada.
Segundo o Instituto Butantan, há quatro tipos de acidentes peçonhentos com cobras:
  • Acidente botrópico (causado por serpentes do grupo das jararacas): causa dor e inchaço no local da picada, às vezes com manchas arroxeadas e sangramento pelos orifícios da picada; sangramentos nas gengivas, pele e urina. Pode evoluir com complicações como infecção e necrose na região da picada e insuficiência renal.
                                                                                Jararaca

  • Acidente laquético (causado por surucucu): quadro semelhante ao acidente botrópico, acompanhado de vômitos, diarreia e queda da pressão arterial.

                                                                           Surucucu


  • Acidente crotálico (causado por cascavel): sensação de formigamento no local da picada, sem lesão evidente; dificuldade de manter os olhos abertos, com aspecto sonolento, visão turva ou dupla, dores musculares generalizadas e urina escura.


               
                                                                       Cascavel

  • Acidente elapídico (causado por coral verdadeira): no local da picada não se observa alteração importante; as manifestações do envenenamento caracterizam-se por visão borrada ou dupla, pálpebras caídas e aspecto sonolento.

                  

                        Corais Verdadeiras:  1) Micrurus coralinus; 2) M. frontalis; 3) M. albicinctus

     

    Quais são as diferenças entre cobras venenosas e não venenosas?

    As diferenças servem como um guia geral, mas comportam muitas exceções. Consideram-se alguns fatores:
    • As cobras venenosas têm aneis coloridos completos pretos, brancos, vermelhos ou amarelos.
    • As cobras venenosas têm cabeça triangular, bem destacada do corpo e coberta pelas mesmas escamas do corpo. As cobras não venenosas têm cabeça arredondada e coberta por placas.
    • As cobras venenosas têm cauda curta, que se afila bruscamente; as cobras não venenosas têm cauda longa, que se afila gradualmente.
    • As cobras venenosas têm presas na parte anterior da boca. As cobras não venenosas têm dentes serrilhados.
    • As cobras venenosas têm olhos grandes e pupilas como fendas verticais. As não venenosas têm olhos pequenos e pupilas arredondadas.
    • As cobras venenosas têm um pequeno orifício entre os olhos e as narinas, a chamada fosseta loreal; as não venenosas não têm. Com exceção da cobra coral, que não tem fosseta loreal, mas é venenosa.
    • As escamas das cobras venenosas são alongadas e pontudas, dando ao tato uma sensação de aspereza. As outras têm escamas miúdas e dão, ao tato, um aspecto liso e escorregadio.
    • As cobras venenosas têm hábitos noturnos (embora também possam ser avistadas de dia).
    • As serpentes inofensivas fogem quando ameaçadas; as peçonhentas não e assumem atitude de ataque (elas se enrolam e armam o bote).

    Quais são os primeiros socorros a serem prestados a uma pessoa que foi picada por uma cobra?

    Como a picada de cobra acontece habitualmente em lugares distantes do ponto de socorro médico, os primeiros socorros têm de ser prestados por uma pessoa leiga, que deve:
    • Lavar o local da picada apenas com água ou com água e sabão.
    • Manter o paciente deitado.
    • Manter o paciente hidratado, dando pequenos goles de água a ele.
    • Procurar o serviço médico mais próximo, o mais rápido possível.
    • Se possível, levar o animal para identificação.
    • Retirar aneis, pulseiras, sapatos ou outros adereços apertados, porque logo ocorrerá o edema (inchaço).

    O que não deve ser feito?

    • Não fazer torniquete ou garrote.
    • Não cortar o local da picada, nem perfurar ao redor do local da picada.
    • Não colocar folhas, pó de café ou outros contaminantes na ferida.
    • Não oferecer bebidas alcoólicas, querosene ou outros tóxicos à vítima.

    Como é o tratamento?

    A única terapia efetiva é o soro antiofídico. O soro deve começar a ser aplicado, de preferência, na primeira meia hora depois do acidente.
    Existem vários tipos de soros antiofídicos, um para cada tipo de cobra, mas se a cobra causadora do acidente não puder ser identificada deve-se usar o soro polivalente.
    Os soros utilizados em nosso meio são os seguintes:
    • Cobra desconhecida = soro antiofídico polivalente.
    • Jararaca = soro antibotrópico.
    • Cascavel = soro anticrotálico.
    • Surucucu = soro anti-laquético.
    • Coral verdadeira = soro antielapídico.
    Em áreas em que as cobras são comuns, deve-se ter sempre à mão o soro polivalente, devido à sua maior aplicabilidade. Os soros antipeçonhentos são produzidos no Brasil pelo Instituto Butantan (São Paulo), Fundação Ezequiel Dias (Minas Gerais) e Instituto Vital Brazil (Rio de Janeiro). Toda a produção é comprada pelo Ministério da Saúde que distribui para todo o país, por meio das Secretarias de Estado de Saúde. Assim, o soro está disponível em serviços de saúde e é oferecido gratuitamente aos acidentados.
    Tratamento de suporte ou sintomático também pode auxiliar, dependendo do caso.

    Como evitar as picadas de cobras?

    • Uma cobra só ataca quando agredida. Em caso de ver-se próximo a uma cobra, mantenha-se imóvel até ficar fora do alcance dela.
    • Mantenha a grama aparada, os arbustos limpos e não deixe galhos amontoados.
    • Use uma vara para mexer em montes de entulhos ou madeiras.
    • Onde há ratos, há cobras. Limpe paióis e terreiros, sem deixar o lixo acumular. Feche buracos e frestas de portas.
    • Use botas, calças compridas e luvas de couro em áreas infestadas.
    • O uso de botas de cano alto ou perneira de couro, botinas e sapatos evita cerca de 80% dos acidentes.
    • Cerca de 15% das picadas atinge mãos ou antebraços. Use luvas de couro para manipular folhas secas, montes de lixo, lenha, palhas, etc. Não coloque as mãos ou os pés em buracos.
    • Cobras gostam de se abrigar em locais quentes, escuros e úmidos. Cuidado ao mexer em pilhas de lenha, palhadas de feijão, milho ou cana. Cuidado ao revirar cupinzeiros.
    • Não mexa em cobras, mesmo que estejam mortas. Ainda assim, elas podem injetar veneno.                                                                                                                                                                                               








    Nenhum comentário:

    Postar um comentário